GIRO PELA EUROPA



Na infância comecei a me interessar em saber qual era o tamanho daquele lugar onde eu vivia. Em princípio, o mundo era limitado à minha cidade, Porto Alegre, que era o único lugar que eu conhecia. E eu já achava bem grande. Um pouco mais tarde descobri que havia outras cidades, e que elas faziam parte de um lugar maior chamado estado, o Rio Grande do Sul. Depois, um país e, por fim, um planeta todo. Era bem grande o tal lugar.

Logo me deu vontade de conhecer este mundão. Mas eu pertencia ao tronco pobre de uma família rica, e meu contato mais próximo com viagens era ouvir as histórias dos parentes endinheirados, quando estes viajavam. Viagens internacionais na década de 1970 eram bastante incomuns, até para os ricos.

Em 1978 mudei de Porto Alegre para Curitiba e meu padrasto me colocou para estudar numa escola de bacanas, o Positivo. Assim, nos retornos de férias, na tradicional ocasião onde tínhamos que redigir a redação “minhas férias”, eu ficava sabendo das histórias das viagens dos meus colegas pelas pirâmides do Egito, pelas praias da Florida, Disney. etc.

A minha vontade de viajar e conhecer o mundo só foi crescendo, mas foi necessário esperar até começar a trabalhar, juntar os primeiros salários com muito sacrifício, para poder realizar a minha primeira viagem internacional, em 1991.

De lá para cá já tive oportunidade de viajar bastante por este mundão, a turismo e a trabalho. Sempre que podemos (no sentido tempo e no sentido disponibilidade financeira) tiramos uns dias para conhecer algum lugar. O prazer de viajar e conhecer lugares é conjugado com um outro prazer (igual, ou até maior...), o prazer de encontrar brinquedos, principalmente de faroeste...

Gosto de conhecer lugares, monumentos históricos, natureza, mas também gosto muito de ir atrás de alguma loja de brinquedos, mesmo que na maioria das vezes acabe não encontrando nada de faroeste...Loucura? Vício? Julguem...

Agora em outubro tiramos duas semanas para viajar pela Europa. A viagem iniciou por Barcelona. Aliás, estou ficando viciado em Barcelona ... preciso encontrar um grupo de VBA (Viciados em Barcelona Anônimos).

Barcelona é um lugar de muita história para os brinquedos, afinal era lá que estava localizada a maioria das tradicionais fábricas espanholas de figuras. Barcelona é uma cidade vibrante, cheia de gente simpática e agito, que sempre nos recebe de braços abertos. Em alguns aspectos me sinto até mais bem vindo lá, do que aqui no Brasil.

Barcelona é onde fica a fábrica da Comansi, que ainda está ativa e produzindo brinquedos de faroeste. Barcelona possui lojas fantásticas, gente bacana, enfim, um lugar bastante agradável para visitar, principalmente para quem aprecia brinquedos de faroeste.

Chegando em Barcelona fomos direto ao El Corte Inglês, que é a maior rede espanhola de lojas de departamento. As lojas da rede são grandes e muitas possuem um andar dedicado a brinquedos (“juguetes” em Espanhol ou “juguines” em Catalão).

A surpresa nesta loja foi encontrar uma nova série de brinquedos da Comansi, substituta da série produzida até 2010, com um forte (Fuerte Comansi) e tubos de figuras. As figuras, por sinal, são muito mais caprichadas do que aquelas produzidas até 2010. Desde que chegamos de viagem ainda não tive tempo de tirar todas as coisas das caixas, mas quando o fizer vou tirar umas fotos dessas novas figuras e publicar aqui no site.

Seguem algumas imagens do El Corte Inglês da Praça Catalunha:

Outra loja tradicional de brinquedos de Barcelona é a Palácio Del Juguete, que existe desde a década de 1930. Nesta loja o Fuerte Comansi estava montado, em exposição:

Além dessas, Barcelona possui uma infinidade de lojas de modelismo, onde é possível encontrar muita coisa interessante, como kits, ferromodelismo, Forces of Valor, Playmobil, e brinquedos com o tema faroeste:

As lojas só não vendem figuras espanholas da Andrea Miniatures/Black Hawk, essas só nos Estados Unidos ou através da internet.

Os comerciantes de brinquedos antigos mais tradicionais de Barcelona são o Pere e o Artur Canas. Ambos me recebem de braços abertos sempre que vou lá, e fazem questão de me mostrar todo o seu estoque. Enfim, são comerciantes realizando seu trabalho, mas com uma simpatia e uma acolhida que não encontro aqui nas nossas paragens.

Desta vez estive primeiro na loja do Pere. Ele possui uma loja de brinquedos antigos em um pequeno Shopping Center da cidade. Seguem algumas imagens da visita:

No dia seguinte fomos até a casa do Artur Canas (que não gosta de aparecer em fotos). O Artur mora com sua família em um belo apartamento do século 19, feito no inovador (para a época) sistema Eiffel (o mesmo da torre), o que significa uma estrutura metálica revestida em cimento. Seguem algumas imagens da visita:

A parada final desta etapa foi a já tradicional visita à residência do meu amigo Carlos Nebot. Sei que há muitos colecionadores de figuras em Barcelona, e provavelmente muitos são leitores do site, já que temos centenas de acessos mensais a partir da Espanha, de forma que eu ficaria muito feliz de receber um convite para também visitá-los, e às suas coleções. Mas até hoje somente o Carlos me convidou para visitá-lo.

O Carlos recentemente expôs na toy soliders fair de Londres figuras que ele criou. E possui em casa uma infinidade de figuras e brinquedos. Seguem algumas imagens:

No conjunto Daniel Boone há a raríssima figura do menino Israel, feita somente para este conjunto.

O Carlos conta que começou a colecionar há cerca de 15 anos e que naquela época os brinquedos ainda eram muito baratos. Ele entrava em lojas de coisas velhas (não antiguidades) e os comerciantes aceitavam qualquer oferta pelos conjuntos originais nas caixas. De lá para cá a realidade mudou bastante, e atualmente os brinquedos estão caríssimos, sendo cada vez mais difícil encontrá-los.

Encerrada a etapa de Barcelona, e eu com os bolsos já substancialmente esvaziados..., locamos um carro e seguimos viagem pelo sul da França. É uma região belíssima, como belos balneários como Cannes e Mônaco, mas o pessoal por lá parece só gostar de iates, praia e objetos de grife. Não apreciam brinquedos de faroeste. A França é o país da Papo, achei que encontraria muita coisa desta marca. Mas, pelo menos no roteiro que fiz, não encontrei quase nada de Papo.

Só encontrei alguma coisa interessante no balneário de Nice, conforme imagens abaixo.

O primeiro item encontrado (que não comprei, pois era muito grande, difícil de transportar) foi este belo forte da Simba Toys. A Simba, aliás, está produzindo muita coisa bacana no gênero faroeste.

A loja onde encontrei este forte fica no segundo andar do Shopping Center localizado na avenida principal da cidade.

Numa outra loja, pequena, de rua, encontrei as figuras da marca Alemã Bully. Eu só havia visto figuras desta marca uma vez, em 2009 em Barcelona, e eram apenas três modelos. Desta vez encontrei uma prateleira cheia, com várias poses. São figuras bem legais, na mesma escala das figuras da Schleich e da Papo.

Em termos de brinquedos a viagem pelo sul da França rendeu muito pouco.

Entramos na Itália por Gênova, onde eu tinha alguma expectativa em função de ser uma cidade grande, mas não encontrei nada digno de registro aqui no site. Na sequência passamos por Veneza, onde decididamente não há brinquedos de faroeste ..., e rumamos para Roma.

Chegamos em Roma mais ou menos ao meio-dia, deixamos as coisas no hotel e saímos para almoçar e aproveitar a tarde para conhecer um pouco a cidade (ou para procurar lojas de brinquedos?). Nesta tarde encontrei duas lojas.

O primeiro local que decidimos visitar foi a Fontana di Trevi. Fomos de metrô até a estação mais próxima, e logo na saída da estação eu já encontrei a loja Pinóchio (Via Del Tritone, 124, estação Barberini do metrô). Assim que vi a loja anunciei para minha esposa: “a fontana que espere...”

A Pinóchio é uma loja com dois andares, com muita coisa bacana e atendimento cordial. Figuras da Schleich, da Papo, da Simba, de outras marcas que eu não conhecia, revólveres de espoleta, fortes, conjuntos de faroeste do Playmobil, etc. Seguem algumas imagens:

Eu ainda retornaria a esta loja no último dia da viagem para fazer mais umas comprinhas.

Seguimos andando pelo centro velho de Roma, e acabamos chegando à Piazza Navona. Nesta praça está localizada a Embaixada do Brasil, em um palácio imponente. Tudo a ver com um país que não tem educação pública, saúde pública, nem segurança dignas. Nem saneamento básico. Mas, enfim, bem em frente à tal embaixada encontrei a loja Berte, uma loja grande e com muita coisa bacana. Fortes de madeira, figuras avulsas, figuras em sacos, enfim, dá para fazer a festa. Seguem algumas imagens:

Por fim, retornamos exaustos ao hotel no fim da tarde daquele primeiro dia. Minha esposa cheia de expectativas para os passeios do dia seguinte. E eu imaginando quantas lojas de brinquedos iria encontrar. Minha matemática era simples ... se encontrei duas lojas bacanas em meio dia, em um dia inteiro vou encontrar pelo menos quatro...

Mas ... eis que andamos o dia inteiro por Roma e nada, nenhuma loja de brinquedos em nosso caminho. Eram mais ou menos umas 16 horas e sentamos nas escadarias de um museu para descansar um pouco. Minha esposa exausta, e eu exausto e frustrado. Lá pelas tantas ela me chamou a atenção para um homem que caminhava pela calçada “olha para a mão do homem, não é uma sacola de loja de brinquedo que ele está levando?”.

Com o avançar da idade estou tendo dificuldade para ler sem óculos, mas nesses momentos críticos ... a visão ainda dá um jeito de funcionar. Foquei na sacola que o homem levava (a uns 25 metros de onde estávamos) e consegui ler o nome: La Giraffa.

Mas só o nome não me servia, eu precisava saber onde ficava a loja. Memorizei o nome e quando voltamos ao hotel naquela noite eu pesquisei no Google. Encontrei o endereço da loja e encontrei também um comentário de uma pessoa que informava ter visitado a loja e ter ficado surpreso com a quantidade de coisas que possuíam em estoque. Pronto, perdi o sono.

O endereço da loja era em um local mais afastado, fora do circuito turístico de Roma (Rua 21 de Abril, na saída da estação Bologna do metrô).

O passeio programado para o dia seguinte era a visita ao Vaticano. Aí se estabeleceu um conflito, onde minha esposa dizia “Vaticano primeiro” e eu dizia “La Giraffa primeiro”. Por fim, ela venceu a discussão, e ficou estabelecido que seria Vaticano primeiro e La Giraffa depois.

A revista Tex é extremamente popular na Itália. No Vaticano ela parece ser tão popular quanto o Papa...

Eu acho que acabei fazendo o passeio pelo Vaticano um pouco mais rápido do que faria normalmente mas, enfim, acabamos tomando o metrô para ir até o endereço da Giraffa. Chegamos lá por volta das 14:30h e a loja estava fechada. Olhei pela vitrine e vi que tinha muita coisa. Encontramos uma placa que informava que a loja fechava às 13h e reabria às 15:30h.

Ficar uma hora parado em frente à loja esperando seria demais, pois nessas circunstâncias o tempo não passa. Resolvemos tomar o metrô e fazer outro passeio. Acabamos retornando à Giraffa às 15:20h, e os dez minutos remanescentes demoraram a passar.

Quando finalmente a loja abriu, encontrei algumas maravilhas, algumas mostradas nas imagens a seguir:

Encerrada a seção fotográfica, eu estava naquele estado de espírito em que o céu (o limite do cartão de crédito) é o limite, pronto para fazer a minha alegria e, também, a alegria das vendedoras. As atendentes da loja são todas senhoras de meia idade.

Mas ... , e quase sempre há um “mas”, ficou tudo na intenção. As tais senhoras me trataram com uma grosseria absurda, inexplicável. Eu acabei não só não comprando nada, mas também perdi a cabeça e mandei as senhoras enfiarem os seus brinquedos em lugares impublicáveis.

Eu gosto muito de brinquedos de faroeste, mas não sou dependente psicológico deles, e não compro nada de gente grossa e mal educada.

Quando retornei ao hotel acessei o Google e deixei lá um comentário sobre a loja dizendo que são grossos com clientes estrangeiros. No mesmo lugar onde estava o comentário elogioso.

A última loja interessante que encontrei em Roma foi a Ecléctica. Esta é uma loja de antiguidades e de brinquedos antigos e, pela grade, é possível observar o interior da loja e ver que há muita coisa interessante, muitos soldadinhos. O cartaz informava que a loja abre às 13h. Aguardei lá até 13:40h, e nada, e não pude aguardar mais porque já era o último dia da viagem. O endereço da loja é Via In Aquiro, 70. Se alguém for visitá-la, espero que tenha mais sorte e que encontre a loja aberta.

É impossível visitar Roma sem ser capturado pela história do Império Romano, pela grandeza dos acontecimentos que ocorreram nesta cidade que, por séculos, foi o centro do mundo.

As lojas (não só as lojas de brinquedos) são repletas de brinquedos referentes à história do Império Romano. Envolvido pelo clima da cidade, não tive como deixar de adquirir alguns (as fotos abaixo são da vitrine da Pinóchio). Espero, sinceramente, que os soldados romanos que trouxe comigo não sejam o início de uma nova coleção.

Até a próxima!

Marcos Guazzelli

Novembro de 2011

P.S. por coincidência, agora em novembro a Itália é o país (depois do Brasil) com maior número de acessos ao site, superando os tradicionais segundos colocados Portugal e Espanha.





Comentários

Enviar comentario

De: felipe
gostei muito. você esta de parabéns pale pagina


De: Jean Carlos
Caro Guazzelli, só posso lhe agradecer pela estupenda oportunidade de, através de seu site, viajar junto com vocês nessas viagens maravilhosas, que unem cultura e colecionismo! Muito obrigado!


De: David Orling
Parabéns pelas fotos! Simplesmente maravilhoso ver tudo isso!


De: Carlos Nebot
tenho que dicer e ja es a treceira vez!!! que sempre es um pracer e um honor poder receber na mia casa a la familia Guazzelli... tomara que na proxima podamos passar mais tempo juntos... e visitar alguma ferinha de brinquedos....en cuanto al reportagen, muito bom ,muito bacana..... as lojas de Italia bem interesantes!!! vou tentar dar uma pasadinha la.... e especialmente na girafa!! para incomodar um poco ai!!!!! facendo me mostrar todos os brinquedos e saindo sem facer compra!!! COMO SE DIZ NA BAHIA SEM COMPROMISO..!!. EU VOU DICER SEM COMPRO MESMO!!!KKK e vai ficar o meu din para alguma otra loja..., como o Guazzelli diz,,,, alem de ser dificil encontrar brinquedos antigos , pe lo geral,Barcelona e uma boa opçao... aqui nao e dificil!! simplesmente tem que ter um bom cotacto!! e din no bolso para gastar!!! as figuras nos ultimos anos pasaron a ser articulos de luxo!!! e facil pagar entre 5 euros ate 20 euros cada , sem problemas...bom um saludo a todos os coleccionadores de soldadinhos de plastico e similares.... quem quicer pode me visitar no facebook... la eu tenho muita foto da mia colecçao privada... e so me adicionar!!! um abraço.. e fico aguardando a proxima visita dos GUAZZELLI,S... rsrs


De: jose
OI GUAZZELLI: Se servir de compensação, o fato de voce ter comentado a grosseria a que foi submetido na tal loja romana e publicado por voce na internet vai ser bem chato para a loja, que possivelmente vai deixar de faturar(ainda mais agora que a união europeia está na lona devido a crise financeira) por causa dessas vendedoras, que pelo que descreve devem ser estilo personagens de fellini. Uma pena que empresarios brasileiros nada ou pouco se interessem por investir em um nicho como esse de brinquedos de faroeste. Por ultimo, parece que barcelona é realmente um lugar campeão rsss


De: jose
oi Guazzelli: A cada dia que passa, o site fica um primor. Essas viagens e as fotos que faz são ótimas. Pena que não tenha vídeos dessas viagens. Aliás, falando em viagens você ja viu no canal futura o programa "passagem para..." apresentado pelo luiz nachbin? Da forma como descreve,guardadas as devidas proporções, tem o estilo do nachbin. Aliás, se o nachbin sair do "passagem para..." porque não envia um curriculo? Quem sabe rsss. Brincadeiras a parte, o site tá show.


De: Cesar Augusto
Muito bom artigo, Parabéns!!!!!


De: Luiz Paulo Pizzutti - SP
Caro Guazzelli. Bem vindo ao clube dos clientes/compradores maltratados e mal recebidos pelos nada educados comerciantes da Itália. Não é só em lojas de hobbies e olha que somos oriundi. Creio que entre eles próprios é a mesma coisa. Parabéns pelo novo visual do site e pelas matérias.


De: Tadeu Mahfud (TedDbest)
Faço das palavras do MV Faria as minhas, estávamos tão acostumados ao nosso mundinho brasileiro, onde nada, eu digo nada tem história. Os fabricantes de brinquedos antigos não dão a mínima para a história aqui, para os colecionadores, para os apreciadores, digo Gulliver e como coleciono carrinhos a Mattel, que não permite que nós brasileiros tenhamos os famigerados matchbox por aqui. As viagens facinantes do Guazelli nos acalenta com tamanha informação e ao mesmo tempo nos faz querer economizar rapidamente para viajarmos urgente e visitar todos estes sitios "briquedeológicos" e desenterrar itens que nos faria dormir sorrindo..kkkkk, como crianças loucas por brinquedos que somos. No final tudo isso só me deixa cada vez mais ciente do que guardamos dentro da gente é uma nostalgia enorme e uma pureza digna de entidades celestiais, congelamos dentro de nós nossa infância porque ela era boa, pura e imaculada com brinquedos maravilhosos. Guazelli te admiro pelas tuas viagens e vontade de repassar aos outros. Muito obrigado!


De: Raul Aguiar
fantastico!


De: Marcos Faria / Angra dos Reis / RJ
Além de fazer o trabalho que os fabricantes brasileiros nunca fizeram, registrar,catalogar,informar,lembrar contar, o Marcos nesta verdadeira Bíblia dos brinquedos de faroeste de quebra com historia geral, nos transporta de forma surpreendente nas suas viajens. Amplia no presente e para o futuro nossos horizontes e conhecimentos de nosso pequeno mundo de brinquedos, de uma época maravilhosa. Èramos restritos até então a alguns insensíveis fabricantes de um passado distante. Em parte talvez para quem não pode ir nestes paraísos de brinquedos seja bom pois com certeza seguiriamos outras vertentes do colecionismo rsrsrs. Uma aula de bom gosto, educação, camaradagem e dedicação ao hobby. Façamos também nossa parte. Parabéns, muito obrigado.


De: David Orling
Parabéns Guazzelli! Quanto aos romanos, tenho muitos e são fantásticos! Acredito que colecionarás porque é um período apaixonante. Abraço!