MONUMENT VALLEY



Talvez nenhum outro local no planeta simbolize melhor o que imaginamos sobre o velho oeste do que o Monument Valley. E não é para menos, afinal uma grande quantidade de westerns que assistimos ao longo de nossas vidas foram filmados no lá.

O lugar é deslumbrante, esculpido por Deus. O MV fica na reserva Navajo, sobre a divisa dos estados do Arizona e Utah, no sudoeste dos Estados Unidos.

Quando visitei o MV parti de carro de Phoenix, que é a capital do Arizona. A cidade mais próxima do MV é Kayenta, umas 20 e poucas milhas ao sul. À medida que vamos nos aproximando do MV a paisagem ao lado da estrada vai se tornando deslumbrante.

Vamos falar um pouco sobre o MV e os filmes de faroeste.

Um ponto central nesta história é o casal Goulding – Harry e Leo. Eles adquiriram terras ao lado do MV em 1923, e estabeleceram um posto de comércio. Seus clientes eram os índios.

Em 1939 o negócio estava se arrastando, e Harry Goulding lamentava que um ligar espetacular como o MV não fosse conhecido pelo povo americano.

Outro ponto central nesta história é o diretor de cinema John Ford. Ford havia ficado famoso pelos filmes mudos de faroeste, mas a partir do momento do surgimento do som, o western saiu de moda, pois as pessoas queriam ir ao cinema para ouvir o som, os efeitos sonoros, e eles funcionavam melhor em ambientes fechados. Era difícil captar bons efeitos sonoros em espaços abertos, onde eram filmados westerns.

Em 1939 John Ford estava se preparando para um grande desafio, voltar a dirigir um western depois de 10 anos. Seria seu primeiro western com som.

Harry Goulding ficou sabendo da notícia, pegou um punhado de fotografias do Monument Valley, as economias, e se mandou para Los Angeles. Chegando lá, foi ao estúdio e informou que desejava falar com John Ford. Imagino que resposta ele recebeu. Mas ele insistiu e, pior, ameaçou que iria acampar em frente ao estúdio, e ficar lá até que conseguisse falar com John Ford.

Com esse argumento conseguiu ser recebido pelo diretor. Mostrou as fotos, e já saiu da reunião com um cheque de milhares de dólares para comprar materiais e mantimentos para o filme na cidade de Flagstaff, no Arizona.

Dias depois MV receberia pela primeira vez John Ford e sua trupe, que incluía John Wayne, para a filmagem de No Tempo das Diligências.

Como a formação de John Ford se deu no cinema mudo, ele sempre acreditou que quem tinha que “falar” em seus filmes eram as imagens, não os atores. Para isto o MV foi essencial, pois lá as imagens “falam”.

A partir desta primeira experiência, John Ford realizou mais 6 filmes no MV. Outros diretores gravaram, e gravam, filmes por lá. Os Goulding construíram um hotel, que inicialmente só tinha 8 quartos (só para as estrelas, o resto da equipe dormia em barracas). Hoje o hotel tem mais de 60 quartos, mas pertence a outros proprietários desde o falecimento dos Gouldings.

Abaixo a foto que tirei do hotel, quando estive hospedado lá. Os quartos são de frente para o MV, e a vista das varandas é espetacular. Em 1954 a revista Time elegeu o Goulding (que só tinha 8 quartos...) como um dos 8 hotéis mais atraentes do mundo.

Os índios participavam das produções cinematográficas, ganhavam um bom dinheiro com isto, o que ajudou a melhorar a qualidade de vida do povo Navajo.

Os passeios no MV são realizados a partir do hotel, indo primeiro a um Visitors’ Center e, a partir dali para diferentes roteiros. O meu guia era um navajo, e íamos vendo locais que foram parte de cenas marcantes em filmes, como uma formação rochosa em formato de “W”. Dizem que é uma homenagem a John Wayne. No filme Legião Invencível, com Wayne, a tropa de cavalaria passa em frente a esta formação.

O filme Fort Apache, de 1948, que é o primeiro da trilogia da cavalaria de John Ford, foi filmado no MV. Depois do sucesso deste filme, foi no “Forte Apache” que se passou a série Rin Tin Tin, aí tiveram a idéia de fazer um brinquedo, e o resto da história a gente já sabe.

O último filme de John Ford no MV foi Cheyenne Autumn, com Richard Widmark, em 1963. Gosto muito deste filme.

O local preferido de John Ford no MV passou a ser conhecido como “John Ford’s point”. Era ali que ele gostava de colocar a câmera, ou simplesmente sentar para apreciar a paisagem:

Há brinquedos de faroeste que tentam representar o Grand Canyon, ou o Apache Pass, mas não localizei nenhum brinquedo que representasse o Monument Valley. Quem sabe nossos artesões brasucas não produzem alguma coisa neste sentido?

Uma das navajos que participaram dos filmes de John Ford foi a Suzi, com destaque no filme Rastros de Ódio. Na foto abaixo, estamos juntos (a foto foi batida pelo meu guia Navajo, e não ficou boa).

As formações rochosas do Monument Valley são de arenito, uma rocha frágil. Devido a esta fragilidade, as formações rochosas estão condenadas a ir desaparecendo devido à erosão, e aos efeitos provocados pela neve. Mas este desaparecimento ainda vai demorar um bocado.
Encerro este breve artigo afirmando – o Monument Valley é um lugar maravilhoso, e deveria ser visitado pelo menos uma vez por todos os amantes de faroeste. É uma experiência inesquecível.

Marcos Guazzelli
Março de 2009





Comentários

Enviar comentario

De: ronaldocampos@globo.com
Hoje, 28 de abril de 2012, estou sentado na minha varanda do The View Hotel apreciando o chapeu mexicano apos percorrer todo o parque de carro e alias vir de carro de phoenix via Sedona foi maravilhoso como vc respondeu. Parabens pelas informacoes e seu blog eu e minha esposa estamos lendo ele agora e vibramos de ver que vc respondeu meu comentario. As minhas fotos estao bem parecidas com as suas - hj acordei as 5 p fotografar, kkkk, até um dia....


De: Marcos Guazzelli
De carro, sem dúvida. É um pouco longe, mas é um prazer viajar de carro pelo Arizona.


De: ronaldocampos@globo.com
Estou indo ao MV em 2012. Partindo de Phoenix até Kayenta a estrada é boa ou é melhor de avião? Qual o melhor caminho? Ronaldocampos@globo.com


De: Paulo Afonso
Inclusive nos fimes em preto e branco,esse lugar sempre foi um sonho,parabéns!!!