DIVERSOS, MARÇO DE 2009



1. Atenção produtores de teatro

Os artigos sobre armas de espoleta publicados no site geraram um fenômeno interessante, e imprevisto – toda semana recebo pelo menos 1 e mail de produtor de teatro, atrás de armas de espoleta para suas produções teatrais.

Isto é mais uma conseqüência da atitude “politicamente correta” de banir com as armas de espoleta do mercado – o pessoal de teatro ficou na mão.

A todos que me escrevem envio a mesma resposta:

a) Não possuo armas de espoleta para emprestar, as que possuo são preciosos itens de coleção;

b) Não há armas de espoleta em nenhuma loja de brinquedo. As que ainda existem por aí são negociadas no mercado de colecionadores de brinquedos;

c) Se possuírem contatos nos Estados Unidos ou na Europa, terão fácil acesso a lojas de brinquedos onde as armas de espoleta são comercializadas. Peçam aos seus contatos no exterior para comprar e enviar ao Brasil.


2. Leitores escrevem

Recebo diariamente mensagens de apoio ao nosso trabalho no site. Publico algumas, mas saibam todos que enviam as mensagens, que fico muito grato, e são essas mensagens que me incentivam a manter o site no ar. Elas realmente me tocam o coração, e fazem com que eu sinta que estou fazendo algo útil – ajudar a trazer de volta para as pessoas as boas lembranças da infância:

“Prezado Senhor Marcos Guazzelli, antes de mais nada, parabéns pelo seu trabalho sobre o Forte apache. Lendo o seu site voltei aos melhores momentos de minha vida, onde eu vivia as mais incríveis aventuras com os meus soldados e índios. Continue sempre com este maravilhoso trabalho. Eu estou louco para comprar um forte apache, pois eu tinha soldados, cavalos, índios e carroças, mas não o forte. Eu tinha até o rin tin-tin . Um abraço, e continue com este espetacular trabalho, que sem dúvida muitos estão encantados. Um abraço do amigo Cairo.”

“Caro Marcos! É um prazer falar contigo. Já li todo o teu site, e o considero um pouquinho meu, à medida em que me sinto em casa ao lê-lo. Bem sou professor de Filosofia, História e Religião e, entre tantas, sou colunista de um jornal. Acabei fazendo uma coluna onde o cito, bem como falo, a questão da memória afetiva. Tudo porque a minha história, como tantas, tem a ver com a Gulliver do início dos anos 80, tanto que as figuras dessa época são as que mexem comigo. Para ter idéia, pouco me chama a atenção as figuras da Casablanca, que eu nunca conheci na infância. Nasci em 1971, mas fui conhecer o forte apache, creio eu, em 1981, quando comecei a brincar com um forte apache que era do meu primo (que tempos depois ganhei dele de presente, e com ele brinquei ate ser roubado na minha casa).
Em agosto do ano passado minha namorada meu deu um forte novo de presente. Gosto muito de um de madeira, do início dos anos 80, que dia desses comprei no ML. A partir de Dezembro resolvi comprar aquilo que me interessava, e comecei a buscar algumas coisas. Hoje tenho carroças da Gulliver, uma caravana do início dos anos 80, alguns índios dos anos 70, ocas, índios importados, cowboys, mexicanos,  soldados confederados (sulistas), soldados da sétima cavalaria e soldados DSG do império Brasileiro e outros. Tenho também um trem de na escala 1:30, que comprei do Wagner da Brinqtoys, além de diligência e carroça New Ray. Outros ítens que consegui com o José da Gepeto foram um forte em lata da Marx Toys e uma diligência vermelha (da cor do nosso Internacional) da Comansi.
Bem estou te falando tudo isso porque de maneira admirável acompanho teu trabalho do site. E das coisas que lá vejo, nada mais me comoveu do que ler a tua entrevista com Nelson Reis, que fazia as pinturas que tanto mexeram na minha imaginação. Vê-lo ali ao teu lado me comoveu. Me senti como que junto!
Obrigado por tudo, e saiba que te considero como que um irmão, tamanha a afinidade que sinto ao te ler lá pelo Brinquedos de Faroeste.
Saudações Coloradas! David.” 

“Tenho 35 anos de idade, e nunca brinquei em minha vida com outros brinquedos que não sejam esses famosos “hominhos”! Tenho muita coisa, só que não imaginava que havia todo um contingente de apaixonados colecionadores e estudiosos do assunto. Tenho acompanhado esse site de perto, e o parabenizo por tamanho esforço em publicar tantas novidades e informações a esse respeito!!!!Às vezes fico até emocionado, pois,com 35 anos ainda brinco com o que tenho, umas 200 peças...Aceite meus cumprimentos. Paulo Afonso”

“Caro Guazzelli. Pesquisando um determinado assunto no Google acabei encontrando o seu site. Que maravilha! A saudade veio aos borbotões. Tenho 47 anos, sou colecionador de gibís dos anos 40,50,60,70 e 80, a maioria de faroeste. Quando criança, o grande sonho era ter um Forte Apache, mas contentava–me com o de um amigo. E com os soldadinhos que vinham em sorvetes artificiais, lembra-se? Também colecionei os do Toddy:índios e soldados que eram achados dentro dos potes de vidro do achocolatado. Montava meu próprio forte com estas peças, e elas me acompanharam por muitos anos. Fui perdendo-as ao longo do tempo e hoje tenho saudade, como a quem se sente de verdadeiros amigos. Cada um deles tinha um nome. Já adulto,ganhei de uma namorada, que sabia do meu sonho infantil (quase um “trauma”), um forte da Gulliver. Infelizmente, de plástico. Foi-se deteriorando, e hoje só tenho os índios, soldados e cavalos. Mas o amor permanece. Deparar-me com o site foi voltar ao tempo. Abraços. Nino.”


3. Amigo procura comprador

O amigo Elio possui figuras Elastolin fora do tema faroeste para vender, e está à procura de interessados nestas peças. Vamos a algumas imagens:

Aos interessados, o e mail do Elio é o seguinte: [eliobb@infonet.com.br]


4. Desenhista Palacios

As ilustrações decorativas utilizadas pela Gulliver nos anos 90 foram de autoria do desenhista Espanhol Antonio Hernadez Palacios. Abaixo, um exemplo, para identificarem o trabalho dele:

O site abaixo, indicado pelo amigo Espanhol José Luis, traz várias imagens do trabalho de Palacios:

http://comicsenextincion.blogspot.com/search/label/HERN%C3%81NDEZ%20PALACIOS%20%28Antonio%29 

Algumas imagens:

- Guerra Civil Espanhola:

- El Cid:

- Custer:

- Manos Kelly:

Recomendo aos leitores acessarem o site e “viajarem” pelo fantástico trabalho do Palacios.

Um abraço, e até a próxima.
Marcos Guazzelli
Março de 2009





Comentários

Enviar comentario